DW AngolaOnline Library

Online Library

Angola no Pos-guerra a Natureza Bifaceta

Ovadia & Croese (2017)
Monday, 23 October, 2017

Desde o final da guerra, o governo angolano manteve-se relativamente independente de influências externas. Ao contrário do que aconteceu após
conflitos noutros países da região, a reconstrução pós-guerra em Angola
não tem sido financiada pelo Ocidente, mas basicamente através de linhas
de crédito sustentadas pelo petróleo de países como a China. Um contexto
de insegurança global crescente no sector da energia reduziu ainda mais
a vantagem do Ocidente sobre a escolha e implementação de políticas de
desenvolvimento do governo angolano, uma vez que a consolidação da presença
de empresas (petrolíferas) ocidentais prevaleceu sobre a imposição de práticas
de boa governação e transparência.

African Struggles For the Right to the City - Allan Cain & Agnes Midi

Allan Cain & Agnes Midi
Friday, 13 October, 2017

Africa has some of the world’s most unequal cities. Informal settlements in African cities, and the struggles that are fought in their defense, are evidence of deep-rooted exclusion. They have inherited colonial segregated planning laws that are socio-economically exclusive, resulting in cement cities and slums. In many African former colonial countries, a struggle for a right to the city formed an integral part of the fight against colonialism and apartheid. In the decades since independence, few African states have been able to develop and implement reforms governing urban development to effectively improve these characteristics of their cities.

Water Resource Management Under a Changing Climate in Angola’s Coastal Settlements

Allan Cain
Monday, 2 October, 2017

Angola’s civil war caused a massive population movement from rural conflict areas to low-lying coastal zones between 1975 and 2002. More than half of Angola’s 27 million people now live in urban coastal settlements, floodplains and steep ravines vulnerable to climate extremes. Climaterelated risks are worsening and it is important to understand and prepare for them. Angola’s coastal areas are experiencing increasingly variable rainfall and pressure on water supplies and markets. But a dearth of relevant data has made it difficult to assess these risks. This paper demonstrates innovative methods in filling the information gap and how changes were introduced in how water is governed in four Angolan coastal cities.

ONDAKA Numéro 1710 2017

Monday, 2 October, 2017

A ONG Acção para o Desenvolvimento Rural e Ambiente realizou no passado dia 17 de Outubro do ano em curso, o 20º encontro provincial das comunidades, que contou com a participação dos líderes comunitários dos municípios em que actua.

O encontro provincial serviu para analisar o cumprimento das recomendações saídas dos encontros municipais, bem como, juntar os líderes comunitários e responsáveis das instituições do Estado, para juntos encontrarem soluções das principais preocupações apresentadas pelas comunidades.

FORBES SOBRE KIXICRÉDITO - JOAQUIM CATINDA

Sunday, 1 October, 2017

Instituição com um perfil de clientes em que 60% da carteira é constituída por mulheres e 84% surgem organizados em grupos de três a 15 pessoas, a Kixicrédito é, segundo o seu director executivo, uma das apenas quatro sociedades a operar em micro crédito no país além do Banco Sol e BAI Micro- finanças , ainda que se estime estarem constituídas 36. Em entrevista à FORRES. Joaquim Catinda explica a luta que tem desenvolvido, designadamente com o banco central, e prognostica uma revisão de 250% do valor máximo dos empréstimos do micro-crédito.

Conjuntura Ecónomica II Trimestre de 2017

Monday, 11 September, 2017

A presente publicação tem como principal objectivo, retractar a situação económica do momento e a disponibilização da informação estatística de curto prazo, permitindo uma maior resposta aos instrumentos de avaliação e percepção das expectativas dos agentes económicos. A mesma resulta da operação de recolha contínua do Inquérito de Conjuntura dos sectores da Indústria Extractiva, Indústria Transformadora, Construção, Comércio, Comunicação, Turismo e Transportes nas províncias de Luanda, Benguela, Huíla e Cuanza Sul. Cerca de 80% das empresas do país encontram-se localizadas nessas quatro províncias e empregam aproximadamente 53,50% dos trabalhadores ao nível nacional.

ONDAKA Numéro 1709 2017

Friday, 1 September, 2017

O baixo caudal do rio Culimahala, onde se encontra a central de captação tratamento e distribuição, está a condicionar o abastecimento de água à cidade do Huambo, informou o Presidente do Conselho da Administração (PCA) da Empresa Provincial de Águas (EPAH).

Adolfo Elias referiu que apesar das restrições e défices devido as fracas chuvas, o sistema de abastecimento de água está operacional, nos últimos meses de Julho Agosto e Setembro, o fornecimento baixou para metade.

Relatório Analítico de Género de Angola | 2017

Thursday, 31 August, 2017

O Relatório Analítico de Género 2017 é o primeiro desta tipologia elaborado a nível nacional. O relatório capta o trabalho realizado em Angola, e em particular pelo Ministério da Família e Promoção da Mulher, para melhorar a situação da desigualdade de género e do empoderamento da mulher e da rapariga no último quinquénio.

O relatório apresenta uma linha de base de dados nacionais sensíveis ao género, e estabelece um primeiro passo para o fortalecimento da produção de dados diferenciados que possam permitir monitorar e avaliar sistematicamente o progresso no domínio do género e do empoderamento da mulher e da rapariga.

O relatório constata que o país realizou progressos significativos, principalmente a partir de 2013, na criação de um quadro legal, político e programático positivo, que tem permitido um engajamento crescente e concertado, tanto com instituições públicas como com instituições civis e privadas, para colmatar a desigualdade de género e avançar o desenvolvimento da mulher em Angola.

Alternatives to African commodity-backed urbanization: the case of China in Angola - OXFORD REVIEW OF ECONOMIC POLICY

Allan Cain
Saturday, 12 August, 2017

Since the end of the civil war in 2002, the government of Angola has used Chinese credit facilities backed by petroleum-based guarantees to build prestige urban projects . The most famous is the public-privately developed Kilamba “Centralidade” with 20,000 apartments, China’s largest housing venture in Africa. With the collapse of oil prices through 2014 and 2017, the Angolan state budget has been drastically reduced, and the government will unlikely be able to provide investment and subsidies to continue building new housing like Kilamba. The private sector has been reluctant to provide their own financing and invest in real-estate themselves due to weak land tenure and the lack of legislative reforms to make a functional land market. Solving the problems around land may be a way to stimulate financing for the housing sector. Post-socialist countries like Angola, Mozambique, Ethiopia and China have unique opportunities through the conversion of State-monopoly-owned land for urban poverty reduction and social housing through land-value capture.

Ordering Power? The Politics of State-led Housing Delivery Under Authoritarianism – The Case of Luanda, Angola

Tuesday, 1 August, 2017

From Bangkok to Rio de Janeiro, urban areas in the global South have experienced steady expansion in recent decades. Informal settlements on the peripheries of Johannesburg or Jakarta have swelled to accommodate rural migrants or foreigners searching for work or better services. Almost overnight, satellite cities and peri-urban developments in Beijing and Luanda have materialised to house an emerging middle class. In urban areas as diverse as Addis Ababa and Dubai, city building projects showcasing a country’s world class aspirations or its resource wealth have multiplied (Schindler, 2015).

ONDAKA Numéro 1708 2017

Tuesday, 1 August, 2017

Cidadãos afluíram às urnas de forma responsável e cívica

O processo de votação nas assembleias de voto na província do Huambo decorreu de forma célere e tranquila, os cidadãos afluíram as urnas com responsabilidade e civismo. O cidadão João Baptista Kussumua que votou na Faculdade de Economia, disse estar satisfeito com o andamento do processo.

ONDAKA Numéro 1707 2017

Monday, 3 July, 2017

A província do Huambo acolheu a Plenária Sindical Regional Centro e Sul do País da União Nacional dos Trabalhadores Angolanos UNTA sob o lema, “os desafios do futuro”.

O vice-governador do Huambo para o sector Social Guilherme Tuluca, ao proceder á abertura do evento, disse que algumas aspirações não estão realizadas de acordo as espectativas, tendo afirmado que nenhuma entidade patronal trate mal dos seus trabalhadores de forma propositada, sob pena de comprometer os objectivos da sua empresa.

New City, new Citizens?: A Lefebvrian Exploration of State-led Housing and Political Identities in Luanda, Angola

Tuesday, 13 June, 2017

The new city of Kilamba, located about 30 kilometres South of Luanda, is an emblematic case of the oil-for-infrastructure model that characterises post-war reconstruction in Angola since 2002 (Croese 2012, Corkin 2013). Built between 2009 and 2010 by one of the major Chinese stateowned building companies, Kilamba City1 has been widely criticised for being a symbol of a development that chooses the fast-paced delivery of physical infrastructures over long-term investments in education and health care and that allows opaque multi-million dollars deals to maintain
the oligarchic regime in power (Schubert 2014, Soares de Oliveira 2015).

 

Aesthetic Dissent: Urban Redevelopment and Political Belonging in Luanda, Angola

Claudia Gastrow
Thursday, 1 June, 2017

Over the previous decade, African cities experienced a wave of frenzied construction driven by imaginations of world-city status. While these projects provoked new discussions about African urbanism, the literature on them has focused more on the paperwork of planning than actual urban experiences. This article addresses this lacuna by investigating residents' reactions to the post-conflict building boom in Luanda, Angola. I show that Luandans' held highly ambivalent orientations towards the emerging city. Their views were shaped by suspicions about pacts between Angolan elites and international capital that recapitulated longstanding tensions over national belonging. These concerns were voiced via discussions of the very aesthetics of the new city. Buildings became catalysts for expressions of dissent that put into question the very project of state-driven worlding. The paper therefore argues that the politics of aesthetics are central to grasping the contested understandings of urbanism currently emerging in various African cities.

ONDAKA Numéro 1706 2017

Thursday, 1 June, 2017

A ONG Development Workshop promoveu de 5 a 9 de Junho um seminário de capacitação de facilitadores em saneamento total liderado pelas comunidades e escolas, no município do Cachiungo província do Huambo.

Realizado com o objectivo de abordar do saneamento assumido pelas comunidades nos últimos anos ao nível internacional e regional, contou com a participação de 31 técnicos provenientes da Direcção Nacional de Águas do Huambo, Cuanza Sul e Cunene.

ONDAKA Numéro 1705 2017

Monday, 1 May, 2017

A província do Huambo acolheu o Conselho Consultivo do Ministério da Educação, realizado sob orientação do titular da pasta Pinda Simão.

Ao proferir o discurso de abertura do evento, o governador do Huambo João Baptista Kussumua disse caber a cada um dos quadros do sector a responsabilidade de contribuir, com o que sabe, no intuito de mudar o destino do país para o melhor, formando com eficiência profissionais capazes de transformar os grandes recursos naturais em riqueza, para o bem dos angolanos.

Mosaiko - Acesso à Justiça l 2016

Wednesday, 19 April, 2017

O Registo de Nascimento é corolário de outros direitos inscritos na natureza da pessoa humana, daí a sua relação com os Direitos Humanos. Ou seja, não se pode falar em registo de nascimento sem que haja uma pessoa física que tenha nascido, num determinado espaço territorial (Direito à Nacionalidade), e que tenha um nome (Direito ao Nome) dado pelos seus familiares de tal modo que, participe directamente de todos os assuntos ligados à vida pública como membro de uma sociedade (Direito à Cidadania).

Mosaiko - Acesso à Justiça l 2016

Wednesday, 19 April, 2017

Este trabalho é produto do primeiro exercício de avaliações participativas sobre o uso e acesso a mecanismos de Justiça, tanto no sector formal como no sector consuetudinário em quatro comunidades: duas comunidades periurbanas (uma em Luanda e outra em Benguela) e duas comunidades rurais na Huíla. O estudo procura mapear o impacto na vida quotidiana das pessoas de crimes como roubos, assaltos, violência doméstica contra a mulher, fuga à paternidade e abuso
sexual e descrever às experiências vividas pela população quando recorrem à Polícia, aos Tribunais, a entidades de aconselhamento ou às Autoridades Tradicionais.

ONDAKA Numéro 1704 2017

Monday, 3 April, 2017

O conserto das organizações da Sociedade Civil do Huambo promoveu um debate sobre os desafios da juventude nas eleições gerais de 2017, no passado dias 12 de Abril do ano em curso. Fizeram parte do encontro os representantes das organizações juvenis dos partidos políticos, MPLA, UNITA, PRS e CASA-CE, presidente do Conselho Província da Juventude e outros convidados.

A representante do grupo de coordenação das Organizações da Sociedade Civil, Maria de La Salette disse que o tema proposto faz parte de um conjunto de abordagens das organizações da sociedade civil do Huambo para as próximas eleições em Angola.

‘Imobiliária’ do Estado Angolano quer Vender 710 Milhões em Terrenos em Luanda

Thursday, 30 March, 2017

A Empresa Gestora de Terrenos Infraestruturados (EGTI), criada em 2015 pelo Governo angolano para assegurar essa gestão comercial, prevê faturar 710 milhões de euros, até 2020, com a venda de terrenos em duas cidades construídas de raiz em Luanda. A informação consta do plano estratégico da EGTI, documento aprovado por decreto presidencial de março e ao qual a Lusa teve acesso, esta quinta-feira, prevendo a empresa, totalmente estatal, colocar à venda 974 lotes de terreno infraestruturado nas novas cidades do Kilamba e do Camama.

ONDAKA Numéro 1703 2017

Wednesday, 1 March, 2017

As mulheres de diferentes extractos sociais desfilaram no passado dia 8 de Março do ano em curso, no Pavilhão Osvaldo Serra Van-Dunén, para saudar o Dia Internacional da Mulher, em cerimónia orientada pelo vice-governador do Huambo para o Sector Político e Social Guilherme Tuluca.

Na sua intervenção o vice governador disse que o Governo está preocupado com o crescente número de mulheres que se envolvem em actos criminosos, consumo de bebidas alcoólicas e drogas.

Musseques na Agenda da ONU

Thursday, 16 February, 2017

A Nova Agenda Urbana das Nações Unidas para os próximos dez anos reserva uma atenção particular aos moradores dos musseques, favelas, caniços, bairros de lata e assentamentos informais, zonas habitadas maioritariamente por pessoas de baixos rendimentos. Adoptado na III Conferência das Nações Unidas para Habitação e Desenvolvimento Urbano, realizada em Outubro de 2016, na cidade de Quito, Equador, o documento refere que o desenvolvimento sustentável pressupõe o combate às múltiplas formas de discriminação, sobretudo aquelas que atingem mulheres e meninas, crianças e jovens, pessoas com deficiência, idosos, povos autóctones e comunidades suburbanas. A ministra do Urbanismo e Habitação, Branca do Espírito Santo, chefiou a delegação angolana ao evento.

Cement Citizens: housing, Demolition and Political Belonging in Luanda, Angola

Tuesday, 14 February, 2017

Following the end of Angola’s civil war (1975–2002), the capital city, Luanda, found itself awash in dreams of becoming a ‘world-class city’. The war had been won by the ruling Popular Movement for the Liberation of Angola (MPLA), which used its dominant position to launch a project of ‘national reconstruction’, ostensibly to repair the broken country materially and politically. In practice, reconstruction became a means of attempting to solidify the MPLA’s political control (Schubert 2015; Soares de Oliveira 2015). Drawing from the country’s oil profits,1 the MPLA-state extended its reach through infrastructure projects and the building of clinics, schools and housing. In Luanda, state and private initiatives intersected in a construction frenzy that rapidly reshaped the city centre and peripheries. New high rises, luxury condominiums and state-sponsored housing remade experiences of urban life

Angola’s Housing Rental Market

Friday, 10 February, 2017

Despite the significant demand for rented housing in Angola, it does not feature in Angola's National Urbanisation and Housing Program1. This is unsurprising as few African Governments do give rented housing the attention that it deserves. Governments tend not to recognize that rental housing exists as an important form of housing tenure and that many households rent their housing at some stage in their housing career. For political reasons home ownership is the preferred housing option. However, rented housing appears to be unavoidable while households raise the capital to buy or build their own home, or while searching for land and saving for the building of a self-build home

The Cooperative Housing Sector in Angola

Friday, 10 February, 2017

Angola’s National Urbanism and Housing Programme (PNHU) identified Cooperative Housing as one of the four key strategies adopted to meet the country’s deficit of more than one million dwelling units. The PNHU set a target for the construction of 80,000 cooperative housing units or 8% of the planned one million dwellings in the period up to 2015. Cooperative housing in Angola has roots that date back to colonial times when models were drawn from Portuguese cooperative traditions. In the post independence period after 1975, urban planning professionals returning home from training in eastern European, formerly socialist countries, brought back experience of cooperative housing models from countries where they studied or visited.

AddThis