DW AngolaOnline Library

Online Library

Roque Santeiro Informal Market - Informal Market World Atlas

Allan Cain
Thursday, 31 December, 2020

The market of Roque Santeiro emerged as an important centre of the informal economy in Luanda in the 1980s as the government encouraged people who had begun to sell on street corners to move to what was, before 1985, a piece of waste ground and informal rubbish tip. Even then, though the government was not in favour of the growth of the informal economy it was unable to prevent it and felt that it could only move it to what was then a marginal location. In the late 1980s and 1990s Roque Santeiro was the largest market in the city (and possibly the largest open-air market in Africa) serving as the main distribution point for other markets as well as selling directly to the public: goods from other areas of Angola and goods imported through the port (a short distance away) were traded in bulk at Roque Santeiro and then traded in smaller quantities in other areas of the market or in other locations.
The informal trading economy in Luanda continued to grow in the decade after the achievement of peace in Angola. The main underlying factor that contributes to the continued importance of the informal trading economy is the shortage of formal employment, which leads to large numbers of people creating their own economic activities in ways that require only small amounts of capital and low levels of skill.
Roque Santeiro was closed in 2010. Many day and casual labourers have lost their livelihoods, a scenario which may have contributed to increased levels of crime and delinquency in Luanda. The market had been a huge source of employment within the city, and its transfer meant a loss of employment for stevedores and ambulant sellers who earned a daily livings there and local house owners who provided overnight temporary warehousing of merchandise.
The Government however has renewed its determined effort to stamp out informal trading in early 2014 by announcing a heavy regime of fines, not only on informal traders, but on their customers as well. The image of the informal trader is seen as an affront to those who wish to promote the vision of Luanda as a world-class modern city, despite the fact that these informal markets still provide essential services and employment to much of the urban population.

A KixiCrédito Actua Em 17 das 18 Províncias do País

Tuesday, 9 October, 2018

A KixiCrédito actua em 17 das 18 províncias do país e soma mais de 25 mil clientes activos, entre os quais mais de 60% são mulheres. Apesar do crescente sucesso na materialização de milhares de micro negócios sustentáveis em Angola e da sua ética de transparência, a KixiCrédito continua a debater-se com dificuldades no seu financiamento.

Plano de Desenvolvimento Nacional 2018-2022

Thursday, 4 October, 2018

O PDN 2018-2022 é o principal instrumento de governação do Executivo, que visa promover o desenvolvimento socioeconómico e territorial do País nos próximos cinco anos. Abrange os níveis nacional, sectorial e provincial e implementa as orientações estratégicas de desenvolvimento assumidas na Estratégia de Longo Prazo (ELP) Angola 2025.

Informal Water Markets and Community Management in Peri-urban Luanda, Angola

Wednesday, 3 October, 2018

The majority of Angola’s peri-urban population still rely on informal mechanisms for water supply. This water is expensive and of poor quality, representing a significant household expenditure for the urban poor. The article uses qualitative tools and tracking of the supply chain to analyze the scope of the informal water economy in Luanda. Marketing water at the local household level involves significant trading in social capital. A financially sustainable model of community water management that builds on this neighbourhood social capital has been adopted by the government for implementation across the country.

Gap Analysis and Action Plan - Scoping Report October 2018

Monday, 1 October, 2018

Angola National Gap Analysis Report of the SADC Groundwater Management Institute. The project entailed a gap analysis for the policy, legal and institutional frameworks for groundwater management at national and regional level. The gap analysis involved a desktop review of existing literature, focus group discussions and a questionnaire that culminated in a regional and country-specific perspective status reports for each SADC member state

Temos Ajudado os Bancos a Relocalizarem os Clientes

Friday, 28 September, 2018

A Kixicrédito, operadora de microfinanças em Angola, financiou mais de 400 mil pequenos negócios. Ela completa hoje 13 anos e o seu director executivo faz o balanço ao NJ.

Kixicrédito Financia Mais de 400 mil Pequenos Negócios

Friday, 28 September, 2018

A Kixicrédito, empresa de microfinanças que prima pela inclusão social e económica das comunidades suburbanas e rurais, conta com mais de 25 mil clientes activos em 17 províncias do País e financiou mais de 400 mil pequenos negócios de famílias vulneráveis. Entre os 25 mil clientes, conquistados em 13 anos de existência da Kixicrédito

Participação das Mulheres no Processo Autárquico em Angola

Friday, 31 August, 2018

Luís Samacumbi, formado em Estudos sobre Paz e Gestão de Conflitos, Liderança e Desenvolvimento, Mestre em Teologia , e Oficial de Programas do Fundo das Nações Unidas para a População (UNFPA) é autor de 7 Livros publicados sobre várias matérias de interesse público. Foi o prelector no Espaço do Debate à Sexta feira da Development Workshop Angola. Ao longo da sua abordagem falou sobre a importância da participação e representação das mulheres na administração local; e alinhará essa abordagem com a Agenda 2030.

http://www.dw.angonet.org/forumitem/participaa-o-das-mulheres-no-processo-auta-rquico-em-angola

Há vários países onde as eleições locais são não-partidárias

Thursday, 23 August, 2018

Director da mais antiga ONG a operar no país, a Development Workshop, especializada em governação local, defende que a ideia de haver eleições autárquicas não partidárias deveria ser mais bem aprofundada por se tratar de um modelo adoptado em quase todo o mundo. É a favor do gradualismo geográfico, na condição de que atinja rapidamente os outros municípios.

O Gradualismo Funcional na Implementação das Autarquias em Angola

Friday, 17 August, 2018

Manuel Armando Ekuikui, Formado em Direito, Deputado à Assembleia Nacional, foi o prelector no Espaço Debate à Sexta feira da Development Workshop Angola, onde abordou questões sobre , o Gradualismo Funcional na institucionalização das Autarquias Locais, por salvaguardar o princípio da universalidade e da igualdade, ambos consagrados pela Carta Magna do nosso país (ver art° 22 e 23).

 

http://www.dw.angonet.org/forumitem/o-gradualismo-funcional-na-implementaa-o-das-autarquias-em-angola

OPSA - REFLEXÃO SOBRE A INSTITUCIONALIZAÇÃO DAS AUTARQUIAS LOCAIS COMO PARTE DA IMPLEMENTAÇÃO DO PODER LOCAL EM ANGOLA

Thursday, 5 July, 2018

A criação e implementação de autarquias locais e a realização de eleições autárquicas é um processo complexo e sensível em qualquer país, ainda mais
em Angola, dada a realidade política, histórica, mas também a situação económica e financeira que atravessa actualmente. Por ser um processo fundamental, quer para o
aprofundamento e consolidação do Estado de Direito e Democrático, como, principalmente, pelo que significa para o desenvolvimento do país, a prestação de serviços básicos e ganhos em geral para a população, o OPSA entende ser necessário prepará-lo e implementá-lo com toda a seriedade, construindo um entendimento comum e um consenso amplo em relação ao caminho a seguir,
evitando-se deste modo que se criem hesitações por um lado, como exageros e falsas expectativas

Mobilidade Humana em Angola

Friday, 29 June, 2018

Mais de uma década desde que Angola assinou o acordo de paz de Luena em 2002, terminando 30 anos de uma guerra civil brutal que dizimou a maior parte da infraestrutura do país e deixou acerca de 1 milhão de pessoas mortas e 4 milhões deslocados (IRIN 2006). Este período de paz e tranquilidade no país tem vindo como um alívio bem vindo ao continente Africano e ao mundo em geral, dada a destruição, sofrimento e brutalidade que a guerra infligiu ao povo Angolano

GLOBAL URBAN POLICYMAKING IN AFRICA

Tuesday, 5 June, 2018

A burgeoning literature is looking into the processes and actors involved in the
adoption and emulation of best practices and models of urban policy and development in aspiring world-class cities across the globe. It shows how over the past decades cities have become increasingly entrepreneurial, outward-looking and plugged into transnational networks of urban policymaking. This has resulted in the fast-paced circulation of policies, often with the aim of attracting investment and making cities more competitive (McCann and Ward, 2011; Peck and Theodore,2015

Urban Poverty in Luanda, Angola

Sunday, 6 May, 2018

This report is part of the research programme “Cooperation on Research and Development in Angola” between Centro de Estudos e Investigação Científica (CEIC) at the Catholic Universityin Luanda, Angola and Chr. Michelsen Institute (CMI) in Bergen, Norway funded by the Norwegian Embassy. The objective of the programme is to increase the quality, quantity and availability of relevant research-based knowledge on Angola. The programme has several subprojects in political science, economics and social science.1 This report on urban poverty in Luanda is related to the social science project “Urban and Rural Poverty Dynamics”. A similar report has been published on rural poverty in the province of Malanje (Tvedten, Lázaro et al. 2017).

Rural Poverty in Malanje, Angola

Saturday, 5 May, 2018

This report is part of the research programme “Cooperation on Research and Development in Angola” between Centro de Estudos e Investigação Científica (CEIC) at the Catholic University in Luanda, Angola and Chr. Michelsen Institute (CMI) in Bergen, Norway. The objective of the programme is to increase the quality, quantity and availability of relevant research-based knowledge on Angola. The programme has several sub-projects in political science, economics and social science1. This report on rural poverty in Malanje is related to the social science sub-project “Urban and Rural Poverty Dynamics”, and will be followed by a similar report on urban poverty in Luanda (forthcoming 2017).

Delimitação Participativa da Terra

Thursday, 5 April, 2018

A primeira edição deste Manual foi realizada no âmbito do Projecto FAO GCP/ ANG/035/EC, em 2008. Em 2016 foi feita uma revisão e actualização do Manual, no âmbito do Projeto de Gestão de Terras no Planalto Central de Angola, implementado pelas ONGs Visão Mundial e Development Workshop e financiado pela União Europeia, e com apoio do Projecto RETESA da FAO (GCP/ANG/048/GEF) financiado pelo Fundo Global de Ambiente (GEF). Esta revisão visa facilitar o seu uso por parte dos técnicos que desempenham a função de facilitadores no processo de delimitação de terras das comunidades.

Lançamento do projecto de gestão de terras aconteceu no Município da ChicalaCholohanga

Saturday, 31 March, 2018

Terminou o mês de Março, que é sempre dedicado à Mulher. Durante os 31 dias,lembramos a importância que a mulher desempenha em várias esferas do desenvolvimento do país, principalmente no seu papel que é exercido pela manutenção da boa convivência no núcleo familiar. Entretanto, muitas vezes elas são mal interpretadas nessa sua nobre tarefa, desembocando em incidentes não menos agradáveis que ferem a transmissão de valores essenciais para salvaguarda dos interesses da sociedade. Reconhece-se por outro lado, algumas práticas exercidas por mulheres que em nada dignificam um bom papel que ela representa na sociedade. Assim, recai a responsabilidade dos órgãos estatais e da sociedade civil na educação moral e cívica direccionada ao género com finalidade de transmitir valores essenciais que possam garantir uma convivência urbana e humana que se propõe numa sociedade justa. Outrossim, recai ao apelo no abandono de algumas práticas tradicionais (costumeiras), verificadas ainda em algumas regiões, que lesam com a dignidade da mulher, principalmente aquelas acções que dificultam o acesso (herança familiar) e a retirada da posse da terra e outros bens à mulher em caso do falecimento do seu parceiro.

Informal water markets and community management in peri-urban Luanda, Angola

Tuesday, 20 March, 2018

Luanda is one of Africa’s fastest-growing cities, its population increasing at a rate of
almost 7% annually, and reaching over 7 million people by 2016. The breadth of
Angola’s informal sector – and its pervasive role in the lives of most Angolans –
cannot be overstated. Throughout the vast urban musseques (informal settlements) of peri-urban Luanda, in which approximately half of the city’s population currently
reside, essential services – such as water and food distribution – are provided for the
overwhelming majority through private initiative in the informal sector

Participatory and Inclusive Land Readjustment in Huambo, Angola

Tuesday, 20 March, 2018

After a protracted civil war, Angola has been reconstructing its social and physical infrastructure and developing new policies and legislation to address the chronic povert that many families live in. Four decades of war were characterized by forced removals, resettlement, and massive internal displacement of rural and urban populations. Urban expansion became uncontrolled, and informal land transactions flourished with few legal tools and little financial and human resources to manage land properly. Land has emerged as a critical point of potential conflicts, and a recent research has demonstrated that, after the civil war, thriving land markets have come to exist in Angola;

Verónica José: A Mulher que Transformou Vidas a Criar Negócios em Zonas de Conflito

Friday, 9 March, 2018

Há mais de duas décadas, Verónica José enfrentou a guerra para ajudar mulheres a desenvolverem pequenos negócios, tornando-se pioneira na concessão de micro-crédito em Angola. Conheça a sua história e de outras mulheres, no dia que lhes é dedicado. Uma iniciativa da Sparknews, rede de jornais internacionais, que integra o Expansão. Ao longo do mês, veja como várias mulheres ajudaram a mudar vidas, no especial Dia da Mulher. Verónica José tem um currículo invejável que se mistura com um percurso de activismo social. Nas últimas duas décadas, transformou a vida de milhares de angolanos, desde que decidiu dedicar-se a um projecto de micro finanças que deu os primeiros passos em 1999 e que, nas duas décadas de existência, já deu microcrédito a mais de 20.000 pessoas, a maioria mulheres. Licenciada em Contabilidade e Auditoria, enfrentou a família para levar pequenos empréstimos ao interior do país, numa altura em que a guerra civil desaconselhava viagens. Enquanto milhões de pessoas fugiam para Luanda, capital de Angola, por ser a zona mais segura.

Rebuilding Lives & Businesses in a Post -Conflict Nation

Thursday, 8 March, 2018

During the height of the Angolan civil war, Verónica José brought hope and entrepreneurial spirit to some of the country’s hardest hit areas. Verónica José has an impressive resumé and considerable experience in social activism. During the past two decades, she has transformed the lives of thousands of Angolans through micro financing projects in some of the poorest and most remote parts of the nation. Already some 20,000 people, mostly women, have benefited.

Estrada entre Cachiungo e Chinhama em reabilitação

Wednesday, 28 February, 2018

Um dos principais obstáculos ao desenvolvimento é o fraco fluxo da informação
multifacetada e de qualidade, que permita ao cidadão alargar o seu conhecimento às mais diversas áreas do saber, e poder também construir uma visão crítica sobre os mais diversos assuntos com que se depara no seu quotidiano. Para isso é necessário que exista uma informação diversificada, que aborde as mais diversas matéria da sociedade, nomeadamente o comércio, a indústria, a economia, a ciência, o desporto, a saúde, a educação, o ambiente, a agricultura, entre outras. É também fundamental que os profissionais que apostarem na carreira da informação vão adquirindo cada vez mais competências para poderem prestar um serviço de qualidade nas matérias que escolherem para sua especialização. Porque, como qualquer outra matéria, a informação vai evoluindo em função do avanço em
outras disciplinas, e hoje em dia é comum dizer-se que estamos na era da comunicação e da informação. Por isso precisamos de entender que a tarefa de informar com propriedade constitui uma necessidade vital para o desenvolvimento, porque este fazse com as comunidades, e não para estas.

Lessons of Angola

Monday, 11 December, 2017

It was an improbable locus for a superpower collision. But the shape and location, if not the history and social reality, of Angola were being firmly impressed upon the minds of millions of American television viewers. At issue, they learned from the Secretary of State, testifying before a Senate subcommittee on African affairs, was this basic principle: "The Soviet Union must not be given any opportunity to use military forces for aggressive purposes without running the risk of conflict with us."1 Angola was to be the post-Vietnam testing ground of American will and power in the face of the global expansion of a bullish rival whose recently realized military outreach was seen to be leading it toward dangerous adventures.

ONDAKA Numéro 1711 2017

Wednesday, 1 November, 2017

O governador da província do Huambo, João Baptista Kussumua, disse no município de Londuimbali, que os desafios do desenvolvimento do país estão ajustados aos 42 de Independência Nacional, facto que tem inspirado o Governo na prossecução do interesse público.

Falando no acto comemorativo dos 42 anos da Independência Nacional, referiu que o Governo tudo tem feito e de forma contínua para que o progresso e o desenvolvimento do país sigam os anos de existência de Angola, que enquanto nação passou a surgir a partir do dia 11 de Novembro de 1975.

Angola no Pos-guerra a Natureza Bifaceta

Ovadia & Croese (2017)
Monday, 23 October, 2017

Desde o final da guerra, o governo angolano manteve-se relativamente independente de influências externas. Ao contrário do que aconteceu após
conflitos noutros países da região, a reconstrução pós-guerra em Angola
não tem sido financiada pelo Ocidente, mas basicamente através de linhas
de crédito sustentadas pelo petróleo de países como a China. Um contexto
de insegurança global crescente no sector da energia reduziu ainda mais
a vantagem do Ocidente sobre a escolha e implementação de políticas de
desenvolvimento do governo angolano, uma vez que a consolidação da presença
de empresas (petrolíferas) ocidentais prevaleceu sobre a imposição de práticas
de boa governação e transparência.

AddThis